quinta-feira, 8 de dezembro de 2016

"Leituras em cadeia" geram proposta formativa

A ferramenta livro foi muito utilizada nesta sessão
Já está na reta final o curso  “Leitura, Bibliotecas, Estabelecimentos Prisionais”. Trata-se de uma formação especializada que reflete o trabalho que a equipa da Laredo (Miguel Horta e Maria José Vitorino) e um pequeno grupo de “âncoras” corajosos, em estreita colaboração com a Biblioteca Municipal de São Domingos de Rana – Cascais e o agrupamento de escolas Matilde Rosa Araújo, vêm desenvolvendo no EP Tires, dando corpo ao Projeto GulbenkianLeituras em cadeia”. A última sessão presencial, que teve lugar na Fundação Calouste Gulbenkian (3 de dezembro) foi bem animada (como provam as fotografias…) e com um sentido prático evidente. Este curso tem sido um pequeno fórum de ideias, atualizando muita informação sobre estabelecimentos prisionais, bibliotecas prisionais e escola na prisão. Penso que estamos a conseguir sensibilizar para o valor educativo da mediação leitora, da promoção da leitura e das bibliotecas em contexto prisional, numa perspetiva inclusiva. É importante Promover estratégias educativas de cooperação interbibliotecas – biblioteca escolar, biblioteca pública, biblioteca prisional – sustentáveis, quer da educação formal quer da aprendizagem ao longo da vida de reclusos/as. Estou muito curioso em relação aos trabalhos finais que em breve poderemos ler na plataforma moodle do CFAE Centro-Oeste. (Mais sobre este tema)
Pensando soluções de intervenção, em pequenos grupos de reflexão


Sem comentários:

Enviar um comentário