sexta-feira, 17 de junho de 2011

Quando o corpo inventa histórias...

Poucas vezes tenho a sorte de trabalhar a oficina “Eu sou Tu” com meninos e meninas do jardim-de-infância. Por isso o meu sorriso é largo pois pude fazê-lo na Venda do Pinheiro. Habitualmente trabalho com “meninos” muito crescidos. Esta coisa de criar histórias a partir do nosso corpo é muito divertida; não a devemos deixar só para os grandes... Quando usamos o corpo e o seu desenho estamos a entender melhor aquilo de que somos feitos. É como se o corpo inteiro entendesse muito bem o Mundo em que vivemos. Aquela folha de papel gigante onde nos deitámos para desenhar o contorno do nosso corpo é como se fosse uma página gigante de um livro, exactamente do tamanho que temos. Não foi complicado desenhar…pois não? Os marcadores grossos ajudam muito. É muito difícil explicar por palavras aquilo que se sente quando o nosso corpo faz parte de uma história inventada em conjunto com os nossos amigos da sala. Mas ficamos mais acordados para este nosso “veículo” dos dias. Sabem o que eu acho? Acho que os livros deveriam ser tão grandes como as folhas em que nos deitámos. Assim, seria sempre muito fácil entrar nas histórias: bastava bater ao de leve na capa de um livro, exactamente do nosso tamanho, e a porta abria-se logo. E essa coisa engraçada de criar uma personagem a partir dos corpos de cinco amigos? Um dá uma perna, outro um braço, outro a cabeça, outros amigos dão os pés e, como por magia, criámos alguém para além de nós no papel de cenário. É mesmo um trabalho colectivo! Eu sei que já tinham andado a falar sobre o corpo humano… mas juro que não foi combinada esta minha ida à vossa escola pela mão dos vossos Educadores-bibliotecários… E fomos árvore, pássaro e, até borboleta….a história ainda não parou por aqui. Uma menina da Venda falava de flores que poderiam crescer na relva… tudo contornado em desenho em torno dos dedos da nossa mão. Foi giro passar o marcador por cima do lápis: até parecia que a nossa mão conhecia o caminho certo…
Será que vamos conseguir explicar aos Pais tudo que fizemos?
Beijos e obrigado por um dia bem passado na Venda do Pinheiro.

4 comentários:

  1. Miguel,

    nós é que agradecemos as histórias que nos ajudaste a desenhar com os nossos corpos e imaginação. Afinal as árvores não dão só frutos...:)

    Jacqueline

    ResponderEliminar
  2. Maravilha! Como artista do corpo e contadora de histórias vejo a maravilha que criaste! Vou usar com meus alunos! Obrigada novamente Migueç!

    ResponderEliminar
  3. Eu estou na Póvoa da Galega, no mesmo agrupamento da Venda do Pinheiro ... e também queremos! :)

    ResponderEliminar
  4. funciona muito bem em jardim de infância e também com adultos e NEE

    ResponderEliminar