terça-feira, 28 de junho de 2016

O meu rosto e o teu rosto

Autoretratos a partir do negativo com diversas intervenções plásticas
A temporada de oficinas do Programa Descobrir/Gulbenkian, dedicadas às necessidades educativas especiais, terminou ontem com o ateliê “Meu rosto teu”, com jovens da CERCISA Mira Tejo. Para garantir o lugar nas nossas oficinas do ano letivo 2016/17, não se esqueçam de contactar a minha colega Margarida Vieira logo no início de setembro para uma breve reunião para marcação de agenda - 217823491

segunda-feira, 27 de junho de 2016

Soprando as velas com Nuno Marçal

António Fontinha, Miguel Horta, Nuno Marçal e Rodolfo Castro
no final de um belo serão de contos,
celebrando o 10º aniversário do Bibliomóvel de Proença-a-Nona
Este fim de semana o Bibliomóvel de Proença-a-Nova comemorou 10 anos de atividade pelas aldeias do Concelho e fui convidado para a festa com o Rodolfo Castro e o António Fontinha. Um belo trabalho do Bibliotecário Nuno Marçal, promovendo a leitura, a proximidade e a comunicação entre as gentes das aldeias. Como era de se esperar, juntou-se um belo grupo de bibliomóveis, vindos dos vários cantos do país, para comemorar com o amigo do interior este trabalho feito de teimosia e dedicação: lá estava Biblioteca Andarilha (Beja), Penafiel, Valença, Redondo, Chamusca e tantos outros, sem esquecer a Elsa Serra que veio falar do seu projeto “Na rua com histórias” (um tuc tuc que vai andar por aí levando a leitura a quem precisa…). Quantos aos contos… É sempre fantástico contar com estes dois amigos… O serão, depois do jogo Portugal-Croácia, correu-me melhor que a manhã. A noite terminou com uma bela banda local: “O homem da carabina”- até trouxe um cd comigo – “Rockalhada da boa!”  Força aí, Nuno! Parabéns!

quinta-feira, 23 de junho de 2016

Pisão: uma casa com histórias

Anos cinquenta, quando ainda se chamava Colónia Agrícola e Penal do Pisão
No passado dia 17 de junho orientei um workshop no Centro de Apoio Social do Pisão (Alcabideche) promovendo a mediação do acervo histórico desta instituição. Esta é a minha segunda intervenção nesta Casa dedicada à Saúde Mental; a primeira teve como tema central mediação leitora e doença mental, dando origem a uma formação mais aprofundada sobre o tema que decorreu recentemente no Instituto Nacional para a Reabilitação. Sente-se um interesse crescente, dos profissionais desta área, nas metodologias e recursos propostos pela educação artística e pela mediação leitora. Nesta abordagem ao interessante conjunto de peças históricas que contam a evolução da instituição foi possível encontrar peças expostas que serviram como motor para a escrita imaginativa. Assim que estiver preparado o percurso (e guião de intervenção), o Pisão fica preparado para propor uma visita oficina ao público exterior e, também, um desafio criativo para os seus utentes. Refiro aqui o livro “O Estado Novo e os seus vadios – Contribuição para o estudo das identidades marginais e a sua repressão” de Susana Pereira Bastos (Publicações Dom Quixote) que, juntamente com algumas memórias recolhidas junto dos “mais antigos” da instituição, permitiram criar uma atmosfera narrativa, fundamental para o desenvolvimento da proposta de escrita. Um agradecimento à equipa técnica do Pisão pela sua coragem imaginativa e pelo apoio que me têm prestado no nascimento de novas ideias para a intervenção sociocultural.

domingo, 12 de junho de 2016

INR: Notícias do curso de mediação leitora

O curso “Mediação Leitora em Bibliotecas e Doença Mental” promovido pelo Instituto Nacional para a Reabilitação continua, esta semana, a desassossegar os participantes (de origens profissionais muito variadas) para urgência de estratégias de trabalho em torno das literacias que contribuam para uma maior autonomia dos utentes e consequente melhoria da qualidade de vida. Leitura e espírito de mão dada. Ao longo das sessões, tem estado disponível para consulta um conjunto de livros que costumo usar no meu trabalho e que tem suscitado a curiosidade destes profissionais. Na última sessão fizemos dois exercícios práticos: a “Máquina da poesia” (escrita imaginativa) e “Dos sons nascem histórias” (literacia auditiva e construção de narrativas) – acho que toda a gente se divertiu ao mesmo tempo que foi pensado no que poderia fazer aplicado ao seu quotidiano profissional… Continua já na 3ª feira!

Programa e intenções do curso AQUI

De volta da "Máquina da poesia"

sexta-feira, 10 de junho de 2016

As "Rimas" em São João das Lampas

Foi a teimosia de um menino chamado Francisco, meu leitor incondicional, que me levou à escola do Centro Paroquial de São João das Lampas. Ora este rapaz não descansou até conseguir convencer os professores a fazerem-me um convite para ir à escola. Levei comigo o oceano e os meus amigos marítimos e lá me instalei no ginásio a falar com as crianças sobre o “Rimas salgadas”. E o resultado foi surpreendente: uma plateia muito atenta à grande dose de disparates que fui proferindo ao longo da tarde. Os autores gostam sempre quando lêem os seus livros, preparando a vista à escola - e foi o que aconteceu... Acho que ficámos amigos – quem sabe não combinamos mais uma iniciativa no próximo ano?
Modtrando as ilustrações aos alunos do 2º, 3º e 4º ano
Mais fotos Aqui

Sussurrar na praia

O ano letivo está quase a chegar ao fim… Termina o projeto “Leituras diferentes” nos Agrupamentos de Escolas Monte da Lua e Ferreira de Castro. Vamos ter de avaliar o que fizemos. Entretanto os sussurradores ficaram prontos assim como os cartões de cidadão gigantes e no dia 25 de maio organizámos uma despedida sussurrada na Praia Grande com todos os alunos especiais do Agrupamento de Escolas Monte da Lua. Foi muito engraçado observar o convívio livre destes jovens com os colegas das diferentes escolas. Fica aqui o agradecimento aos docentes pelo privilégio que foi trabalhar com as vossas equipas. Esperemos que para o ano possamos aprofundar mais o trabalho artístico/pedagógico, com outras ideias que já se andam a agitar na minha cabeça...
 Sussurrando na "D. Fernando"
Na praia
Um dos nossos "cartões de cidadão" gigantes