quinta-feira, 17 de novembro de 2016

O que nos diz um retrato?

E se eu fosse Duval de L'Epinoy?
Pronto! Já está montada e testada a minha nova oficina “O que nos diz um retrato” (um belo nome escolhido pela Margarida Vieira), incluída no programa Descobrir/Fundação Calouste Gulbenkian dedicado a públicos com necessidades educativas especiais. A identidade interior como guia para esta nova oferta: O que nos diz um retrato? Para além da evidência do suporte e da técnica utilizada pelo artista, que histórias estão escondidas? Que narrativa está misteriosamente velada por um olhar ou por um gesto congelado no tempo? Como poderei criar uma narrativa pessoal a partir da observação de um retrato? Que efeito tem em mim esta procura e construção de uma narrativa pessoal? Para responder a todas estas perguntas vamos explorar as duas coleções do Museu Gulbenkian interrogando os retratos que aqui estão expostos. A última sessão será dedicada à concretização plástica de autorretratos concordantes com as narrativas que fomos construindo ao longo dos 3 dias. (do programa) Visitas dinâmicas, por vezes com um toque de narração oral, diálogo centrado na contribuição criativa do público. Dada a variedade de públicos e níveis de perceção e cognição diferentes, as ferramentas de expressão poderão ser variadas. Trata-se de uma oficina orgânica, adaptável e alterável de acordo com a “diversidade funcional” dos participantes. Quando alguém olha para nós adivinha as nossas histórias? Quem vê caras vê corações? Se eu te tirar uma fotografia fico a saber as tuas histórias? O que será preciso fazer para uma imagem contar a nossa história? E se eu fosse a personagem que está dentro da obra de arte? Conhecem a misteriosa história da rapariga do colar de coral?...Pois então, cá vos esperamos para vos revelar o segredo”.
Duval de L'Epinoy - pesquisa/desenho de um dos nossos meninos

Sem comentários:

Enviar um comentário