terça-feira, 22 de novembro de 2016

10x10: Quem me dera ser robalo...

Os corpos envoltos nas batas brancas do laboratório misturam-se organicamente com a cor projectada.
 ("Dia Positivo" - Miguel Horta)
O projeto 1ox10 vai fazendo o seu caminho na Secundária da Costa Primo, não sem dificuldades, mas apontando já aquilo que constituirá a partilha final na Fundação Calouste Gulbenkian Numa aula de Educação Física fora do comum, resolvemos dar continuidade ao trabalho dos slides diretos ("Dia Positivo") iniciado no laboratório de Biologia. Propusemos aos alunos que trouxessem as suas batas imaculadas do laboratório e experimentassem o movimento no auditório da escola com as imagens projetadas sobre o corpo. Tenho a certeza que a Aldara Bizarro haveria de adorar a ideia…O resultado foi muito engraçado. De repente tinham a projeção em grande escala daquilo que haviam criado numa  muito pequena. O Nuno Resende propôs que executassem movimentos orgânicos aos som de “arrival of birds” (Cinematic Orchestra) – um pequeno grupo começou a movimentar-se (dançou!). “Movimentem-se como uma célula!” Incentivou. Depois coloquei “Several Species of Small Furry Animals Gathered Together in a Cave” dos Pink Floyd, o que gerou uma reação imediata de um grupo de 5 rapazes afoitos que, no meio de risadas, fizeram uma série de movimentos afro animais – Gostei bastante! Um pequeno grupo influente ficou mais parado, numa evidente atitude de estranheza (surpresa)… Na avaliação escrita e anónima da aula, a maioria dos alunos achou a aula infantil, não entendendo a relação com a Biologia, chegando a afirmar que queriam educação física tradicional… Um terço dos depoimentos demonstra que alguns alunos vão entendendo os objetivos do projeto. Esta avaliação bateu forte e serviu para uma reflexão profunda sobre o desenvolvimento do projeto, realçando a necessidade de se explicar bem os objetivos e a essência do trabalho. Estes jovens (e famílias) estão muito formatados por anos e anos de ensino expositivo tradicional, seguindo metas estabelecidas pelo poder. Fazer medrar metodologias diferentes, criativas e colaborativas, no interior de uma turma bastante competitiva é uma obra exigente… Nesta aula, o sistema de avaliação com pedras verdes, amarelas e vermelhas ditou a predominância rubra. Mas na aula seguinte, Biologia, foi bem diferente. 

Helena Moita de Deus conduziu os trabalhos com mestria científica. Coube-me coadjuvar a aula em que foram dissecados diferentes peixes (nada que me atrapalhe...). Nesta aula partilhei alguns métodos de desenho para não-artistas. Como fazer um desenho (ou ilustração) de forma simples. Acho que gostaram das soluções simples. (Em miúdo dissecava alguns peixes que apanhava com a minha pequena cana de pesca para descobrir o que haviam comido, qual o isco a usar, e também para entender melhor como funcionavam aqueles fascinantes seres… ) Mostrei aos alunos os diferentes conteúdos estomacais dos animais analisados estabelecendo uma relação com a sua alimentação, territórios de caça, hábitos e reflexos na morfologia evidente destas criaturas. Peixes estudados: Solha, carapau, faneca e truta marisca. Amanhã será lançado o grande desafio desta edição do 10x10 na Secundária Seomara da Costa Primo. Logo, logo, vos revelaremos.
 
 

Sem comentários:

Enviar um comentário