terça-feira, 10 de novembro de 2015

"Leituras em cadeia", Tires, 9 de Novembro de 2015

Segunda-feira, o sol entra pelas janelas gradadas da Biblioteca do pavilhão A do Estabelecimento Prisional de Tires, a sala está bem composta e a equipa do espaço de leitura muito atarefada. O professor Luís e 3 residentes (preferimos chamar assim às reclusas) entrevistam quem vai entrando pela porta da Biblioteca Prisional; têm uma lista de géneros literários e interesses de leitura, dispostos por colunas e vão conversando com as detidas, preenchendo as folhas que ajudarão a estabelecer o “perfil leitor” de quem vive no pavilhão A. A conversa é calma e disponível: “O que gostas de ler? Não lês? Mas gostas de revistas e quebra-cabeças? A tua língua materna é o Crioulo – sabes que tens alguns livros em língua Cabo-Verdiana? Histórias de Vampiros? Também temos! Ahhh, romances de amor… Um dicionário de sonhos? Vamos tentar arranjar.”Noutra mesa, uma outra residente recebe os livros devolvidos, anotando metodicamente numa ficha e procede ao empréstimo domiciliário (por aqui, o domicílio é a cela), trocando impressões sobre as escolhas, levantando-se de vez em quando para ir buscar às estantes mais uma sugestão. Aos poucos vão conhecendo a coleção e os seus leitores. De pé, junto à estante, continuo a minha escolha de livros para a sessão de mediação leitora que decorrerá a meio da semana; observo discretamente a cena e comovo-me com todo aquele movimento, impensável há uns meses atrás. À mesma hora, num gabinete com computador noutro edifício da prisão, a técnica Georgina envia um email aos parceiros da Biblioteca Municipal. Assim vem sendo o projeto "Leituras em cadeia"...

Sem comentários:

Enviar um comentário