quarta-feira, 11 de abril de 2018

Necessidades educativas especiais: Regresso à Galiza


Depois do Encontro de 20 de fevereiro em Santiago de Compostela, “Biblioteca Inclusiva, Leitura e diversidade”, onde apresentei o Projeto Dilfícil Leitura, numa formação dedicada a professores bibliotecários (Rede de Bibliotecas Escolares da Galiza) e, também, a professores de educação especial, estarei de regresso amanhã para nova intervenção, desta vez no “Encontros Plan de Mellora de Bibliotecas Escolares”. Espero que esta formação relâmpago seja tão produtiva e descontraída como a anterior.
Este projeto que partilharei na Galiza, atualizado com as últimas iniciativas pedagógicas, teve início há 3 anos por iniciativa de Goretti Cascalheira, Biblioteca Municipal de Torres Vedras, lançando as Oficinas improváveis que têm percorrido as bibliotecas escolares do concelho promovendo a leitura inclusiva e a acessibilidade aos livros. Trata-se de um projeto colaborativo que decorreu durante 2 meses intensos numa biblioteca escolar rural (no meio das vinhas) no Centro Escolar da Ventosa (Torres Vedras) e envolveu crianças com necessidades educativas especiais, maioritariamente do perfil autista (severo), crianças das diferentes turmas que se constituíram em tandem para leitura a par e mediação da leitura, 1 professora bibliotecária, 3 professoras de educação especial e 3 auxiliares de educação (muito experientes neste campo) e eu como mediador da leitura no contexto das necessidades educativas especiais. Esta iniciativa teve um forte envolvimento da Rede de Bibliotecas Escolares e da Laredo Associação Cultural e do Agrupamento de escolas de S. Gonçalo (Torres Vedras). O trabalho foi desenvolvido em laboratório, na biblioteca escolar onde foram criadas as condições para o seu desenvolvimento a par da aquisição de um conjunto de livros que foram testados pelas crianças e adultos. Um dos objetivos do projeto, para além da pesquisa pedagógica, é contribuir para retirar as unidades de ensino estruturado (multideficiência e autismo) do isolamento que vivem na escola. Por outro lado, interessava-nos clarificar a diferença entre acessibilidade e inclusão, e foi com este fito que pensámos a escolha dos livros, permitindo a fruição, tanto pela criança autista, quer pelo seu par. Sobretudo importava mostrar que a biblioteca é um lugar onde cabe toda a gente e que as metodologias não-formais usadas na “casa dos livros” tinham um efeito positivo sobre as crianças, propondo um caminho mais aberto, diverso das práticas correntes do ensino especial no nosso país. Também valorizámos o empréstimo domiciliário no contexto da sala de ensino especial, mesmo sabendo que algumas das nossas crianças poderiam danificar os livros. Outra decisão deste projeto, foi valorizar o papel das auxiliares de educação, referentes sólidos das crianças especiais (autismo e multideficiência) no interior da escola, como mediadoras de leitura especializadas, a par dos docentes e do mediador da leitura. Este projeto envolveu toda a comunidade escolar, incluindo as famílias, e aponta um caminho possível para a inclusão, onde a biblioteca escolar desempenha um papel proactivo e central. Este projeto, que tem permitido aprofundar o debate em torno do papel das bibliotecas escolares e propor novos caminhos na educação especial, tem gerado reações positivas, estando prevista uma nova intervenção especializada noutro concelho do distrito de Lisboa.
Em Fevereiro foi assim...


Sem comentários:

Enviar um comentário