domingo, 19 de fevereiro de 2017

Bairro Leitor em Fevereiro

Em cima de uma cadeira, trabalhando o livro "Zoom"
Bairro Leitor: um projeto também é composto por confluências. Assim, tiveram lugar no Dia dos namorados duas sessões de mediação leitora com alunos da Escola do Casalinho, na nossa biblioteca comunitária, que vem sendo dinamizada por Maria José Vitorino e pela professora bibliotecária Lurdes Caria em colaboração com a equipa da escola. A nossa biblioteca ocupa um espaço muito simbólico – foi aqui que Conceição Rolo desenvolveu no final dos anos 90, um importante trabalho de mediação para  a literacia e leitura em contexto escolar. A primeira sessão com alunos PIEF foi duríssima – uma espécie de combate afetivo pela literacia no meio de rapazes e raparigas que já não acreditam na escola. Usei tudo, da paciência aos livros, passando pela narração oral e pelo hipop… Parece que gostaram. Fiquei de fazer mais uma sessão com eles, aproveitando o grande ritmo que todo o jovem cigano tem. Com os mais pequeninos correu mais fluidamente – é preciso trabalhar a escuta com estas crianças. A fotografia é a possível – tirada com um telemóvel.
O trabalho de mediação cultural pode assumir diferentes contornos consoante a exigências do projeto. Consolidando a relação entre os promotores do projeto e as associações locais, ao longo de duas semanas desenvolvi o logotipo da Academia de Jovens do Casalinho. Começámos a trabalhar imagens a partir da ideia de bairro, depois fomos para os animais, primeiro o falcão e por fim o galo. Acabou por ficar um galo muito simples por influência da Torre do Galo (Ajuda). A escolha final é sempre da responsabilidade do “cliente” associativo…

Sem comentários:

Enviar um comentário