quarta-feira, 5 de outubro de 2016

Mediação em Museus e Comunidade Surda

Não vos tenho falado de um trabalho, da nossa Associação Laredo, que muito admiro: “Serralves em Língua Gestual Portuguesa”, magnificamente conduzido pela equipa do Porto (Joana Cottin, Susana Tavares e Joana Macedo) em parceria com o Museu de Serralves. Este trabalho profundo em torno das acessibilidades aos conteúdos, a decorrer regularmente no Museu de Serralves (e agora também no parque), mereceu a atenção do júri do Prémio Acesso Cultura, tendo sido atribuída uma menção honrosa. Trata-se de uma atividade muito bonita de mediação em museu, procurando novas palavras em Língua Gestual Portuguesa para melhor dialogar com os visitantes surdos em frente às obras de arte. A procura de novas palavras para “instalação”, “performance” ou para tantas outras a que correspondem diferentes referências em arte contemporânea, faz parte da nossa metodologia de trabalho partilhado com os nossos visitantes. São vistas vivas onde todos têm lugar para a sua palavra, debatendo intenções artísticas ou comunicando sensações e experiências. Esta realidade, que acontece ciclicamente aos sábados em Serralves, entusiasma-nos a procurar outros caminhos nos museus e também em bibliotecas públicas e escolares. Em primeira mão, posso anunciar que esta mesma equipa começará a fazer visitas-orientadas ao Mosteiro de São Bento da Vitória e ao Teatro Nacional de São João! Ora venha daí um ruidoso aplauso, para quem está a cria novos públicos através de um trabalho dedicado e especializado. Poucos saberão que nos conhecemos os três (Miguel, Joana Macedo e Susana Tavares) no Serviço Educativo do Museu Grão Vasco, na altura em que Dalila Rodrigues (vai daqui um abraço!) dirigia o belo museu de Viseu (12 anos atrás?). Para além de visitas/oficina que realizei em conjunto com estas duas mediadoras, havia também um atelier de desenho pela cidade quinhentista – Grupo de Desenho de Viseu. (Arqueologia aqui)
Parabéns Laredo Norte!
Não resisto a publicar aqui um excerto de um email da Susana Tavares (desculpa) que nos dá uma ideia bem aproximada do espírito desta visita ("O Parque de Serralves em Língua Gestual Portuguêsa): "Foi, sem dúvida, o maior grupo até agora! A visita ao Parque é sempre muito interessante porque o espaço, praticamente, fala por si. Neste caso, o tempo também ajudou. Penso que o grupo ficou surpreendido com a dimensão do parque e com tantos recantos encantadores (o que se notou nas paragens para as fotos!!). Mesmo os que já conheciam, desfrutaram verdadeiramente deste "walk in the park". Para além disso, foi um grupo atento e interessado pelos conteúdos que partilhámos." Nós gostamos de trabalhar em Museus!

2 comentários:

  1. quanta riqueza transmitida e compartilhada!! Parabens e otimos frutos!!

    Hannar Alves(RJ/Brasil) Eczuvia magenta/facebook.

    ResponderEliminar