quarta-feira, 24 de junho de 2015

A Árvore da Poesia

Ao grito de "Columbina!" todos soltaram as aves.
Na imagem Nelson Batista, grande entusiasta deste projeto.
Foto de Hermes Picamilho
Ainda sobre o projeto Columbina, refletindo sobre a forma como levámos as crianças à escrita poética em Beringel e na Biblioteca Municipal de Beja. Habitualmente, utilizo a Máquina da poesia na sua forma original, um painel coletivo, na parede, onde todos vão colocando palavras divididas por 4 categorias. Verificámos que as crianças mais pequenas e os alunos com necessidades educativas especiais (défice moderado) tinham dificuldade no entendimento do “enunciado”. Assim, a proposta foi alterada, simplificada para 3 categorias (verbos, adjetivos e nomes) assumindo a forma de uma árvore, a “Árvore da Poesia”: forra-se uma grande mesa com papel de cenário e as crianças circulam à sua volta fazendo –a crescer a partir de ramos temáticos, introduzindo palavras. As folhas são nomes, os frutos adjetivos e as flores verbos. Quando a árvore estiver frondosa de palavras, começas a recolher flores, folhas e frutos para construir os seus versos, que mais tarde serão presos às patinhas dos pombos. Este trabalho tem que ser mediado com delicadeza, encontrando momentos pessoais para que os alunos façam sair intuitivamente (de forma livre e não direcionada) as palavras que têm dentro de si. Foi assim que fiz com a preciosa ajuda da Lénia Santos e da Paula Martins.
"Árvore da Poesia"
(Ler artigos relacionados)

Sem comentários:

Enviar um comentário