domingo, 12 de abril de 2015

Sussurrar poesia em Fitares/Rinchoa

Desarrumando a biblioteca escolar com a "Máquina da poesia"
Sou adepto dos projetos em continuidade, aqueles que lançam práticas "duradoras para o futuro. Vem este curto desabafo a propósito do projeto “Leituras diferentes” que decorre no agrupamento de escolas escultor Francisco dos Santos (Rinchoa/Fitares), resultante de uma candidatura da unidade de ensino especial a uma medida financeira disponibilizada pela Divisão de Educação da Câmara Municipal de Sintra, que vem acompanhando ativamente a problemática das necessidades educativas especiais no tecido escolar do Concelho. Este é já o terceiro ano de intervenção e convívio com os docentes de ensino especial no agrupamento. Já houve tempo para errar, para refletir e ousar novas ideias, sempre na perspetiva da inclusão. Uma das nossas ambições é a difusão de algumas metodologias aplicadas com os alunos especiais junto de turmas consideradas “normais”. Ao mesmo tempo, ao intervir ativamente na escola, não só queremos mudar mentalidades com, também, combater o isolamento pedagógico do nosso trabalho especializado no contexto da comunidade escolar. Sendo um projeto de mediação leitora com alunos diferentes, queremos envolver, cada vez mais, a biblioteca escolar, por a considerarmos um recurso precioso no todo da escola onde é possível lançar mão de metodologias não formais- não se lê em profundidade por obrigação e é necessário um tempo e um espaço para que a leitura faça sentido. 
Os sussurradores na biblioteca escolar
No início do ano, lançámos a “Máquina da poesia”, funcionando a par com a ferramenta “sussurrador”. Pelo meio temos realizado sessões de mediação leitora junto dos nossos alunos especiais da unidade, um 5º ano inclusivo e uma turma de PCA (curricula alternativos). Gosto tanto de ver os docentes entusiasmados com estas ideias – os jovens estão a escrever! Nada disto seria possível sem o empenho evidente dos professores. Falta-nos, ainda, implementar o empréstimo domiciliário ativo junto dos nossos jovens com menos elasticidade social e dificuldades cognitivas. Afinal, a biblioteca é a casa de todos os leitores, diferentes como só um leitor sabe ser.
 Comemorando o Dia Mundial da Poesia, os nossos alunos invadiram a escola sussurrando pequenos poemas da sua autoria aos ouvidos da comunidade escolar: percorreram corredores, entraram na secretaria, no refeitório, até a Cristina, a diretora do agrupamento, teve direito a um poema personalizado. Uma palavra amiga e reconhecida para outros professores, sobretudo de expressão plástica, que contribuíram para que os sussurradores fossem feitos com os dedos da imaginação. Uma sugestão aos professores de português: experimentem a nossa “Máquina da poesia” (nós explicamos como funciona), vão ver que os vossos alunos serão levados à escrita poética de uma forma fluida. Já agora…não têm curiosidade de saber que livros estamos a usar junto dos nossos leitores? Pois, perguntem na biblioteca escolar.
a professora Cristina teve direito a uma sussurradela pessoal

Sem comentários:

Enviar um comentário