domingo, 8 de junho de 2014

Há domingos assim...

Fala-me de ti. Diz-me como és e como te sentes neste país agonizante numa letargia sem resposta. Apetece-me perguntar isto mesmo aos jovens, para quem redijo projetos de intervenção. Se calhar estou redondamente enganado… Olha, já viste como se beijam e sorriem? Iguais a mim, naquela idade, também estouvados e desproporcionados na expressão ou no silêncio. Mas sempre secretos, exclusivos e incomparáveis – respeito isso. Boa parte, maus alunos, como eu fui. Só me assusto quando lhes vejo os excessos, em fuga. Cilindrados pelo álcool e pela insegurança escrevem histórias de vida que não escolheram. Se fosse mágico inventava futuros… Mas tenho sempre a vocação de espelho para melhor refletir as suas imagens quando comigo se cruzam. Limpo o espelho todas as manhãs com o lenço da disponibilidade. Aproveito e limpo os óculos, também: para que veja melhor através da opacidade dos dias. E fico ali, deixo que me observem (como dizia João dos Santos). E observo, também, o tempo que for preciso. Quantas vezes não falhei por excesso de confiança, tão adolescente? Concluo que somos parecidos. A tarefa é sempre a mesma: encontrar as respostas com o outro e não para o outro. Guardo sempre uma frase dita por uma mulher que muito amei: “Quero-te para ti!” Parece que a função de mediador é mesmo preparar terrenos e devolver o papel principal aos jovens protagonistas. Deixar crescer, deixar partir. No outro dia, frontalmente, uma rapariga disse-me na cara: “Não confio em ninguém que tenha mais de 30 anos.” Fiquei a pensar que lhe vai ser muito difícil olhar-se através do tempo a percorrer. Mas pensei-o de forma triste.

2 comentários:

  1. ...obrigada pela escrita refletida. obrigada pelo sempre presente lado do outro no espelho presente.
    Sara

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Às vezes sai assim, Sara. Os mediadores também têm inseguranças. É importante parar, pensar, antes de propor... E nunca temos a certeza do sucesso. Obrigado pelas palavras.

      Eliminar