quinta-feira, 27 de junho de 2013

Filosofia, crianças e livros


fotografia de Rita Pedro
 ("Eu sou tu" na Biblioteca do Moinho da Juventude)
De volta dos muitos textos que guardo, dei com esta carta escrita pela Rita Pedro quando desenvolvia sessões de filosofia com crianças no Moinho da Juventude. Na altura propus que juntasse o livro infanto-juvenil às suas sessões: afinal todos devemos ser mediadores da leitura… Em conjunto com a Rita, fizemos o “Eu sou Tu” para motivar a construção de narrativas e desenvolver o grafismo, enquanto pensávamos a vida com as crianças. O resultado foi muito bom. As sessões de filosofia com crianças são muito importantes em meios onde a vida anda desarrumada pois desenvolvem o olhar autónomo sobre a existência. O livro foi uma ferramenta geradora de reflexões positivas sobre a vida. Saudades da Rita Pedro!
Aqui fica a carta:

“Como vai isso? Escrevo-te para te dar noticias das nossas sessões de filosofia com livros, nomeadamente com o livro da A Grande Questão que teve imenso sucesso e que os meninos quiseram trabalhar duas vezes de seguida! Fizemos um trabalho muito interessante a partir duma questão que tinha sido colocada por uma menina que veio de Cabo Verde há pouco tempo: "O que é que eu estou aqui a fazer? Como é que eu vim aqui parar? ". Partimos da sua pergunta para o livro e do livro para outras perguntas e outras histórias! Na ultima sessão os meninos quiseram criar a sua própria história a partir das suas pinturas. Ou seja o livro da “A Grande Questão” deu-lhes vontade de serem eles os próprios autores das suas histórias! As pinturas estão afixadas num painel da biblioteca e para a semana vamos portanto terminar de escrever a suas histórias e quem sabe...ler outro livro, outra história. Eu levo os livros e deixo-os escolher e serem eles a ler. Alguns não sabiam que os livros são precisos e outros explicaram  como é que se deve agarrar um livro!
Estou simplesmente a adorar fazer este trabalho! Faz muito sentido.”

quarta-feira, 26 de junho de 2013

Em Alcáçovas com a Terras Dentro

Solstício de Verão. Rumo às Alcáçovas para uma sessão de poesia e conto com poetas populares no “paço dos Henriques”, um pátio Manuelino no coração da vila. Todos os anos tem lugar este encontro de poetas, promovido pela associação Terras Dentro. O tema escolhido foi o Renascimento; basta olhar os organizadores vestidos a rigor, numa homenagem a Luís de Camões. Gostei muito da noite: um ambiente genuíno em torno das palavras com surpreendentes “décimas” ditas pelos participantes, numa variedade de temas que encheu a noite. Houve tempo para pensar, para a emoção e até para o riso. Esta sessão ficará na memória!
 

domingo, 23 de junho de 2013

Festa dos Contos em Montemor-o-Novo...


A Festa, também pelas ruas... "Nós vamos para uma festa, estamos atrasados" (foto:J Poças)
A Festa Dos Contos / Festival Internacional de Narração Oral que acontece em Montemor-o-Novo, encerra os Contos Doutra Hora. Como o nome indica premeia o lugar da festa entre narradores e ouvintes e, acontece em espaços íntimos dentro da Biblioteca Municipal Almeida Faria de Montemor-o-Novo. O Pátio dos Contos, a Taberna do Contos, e outros espaços dentro da festa acolhem inúmeros rostos, internacionais e nacionais, que vão deliciando quem gosta de ouvir bem contar.
Uma festa com muita música no Pátio dos Contos: Galissa e António Pedro  (foto:J Poças)
 Primeira saída depois de uma temporada retido em casa…doença. E o que estava mesmo a apetecer era…Festa! E lá estivemos em Montemor-o-Novo, convocados pelo Carlos marques, para mais uma Festa dos Contos. Dois dias descontraídos, contando e cantando histórias. O Manuel Garrido (um pirata admirável) e eu abrimos a festa. Oportunidade para partilhar com os outros contadores as minhas recentes experiências narrativas com a apresentação de “Vanitas e a tia Aldina”; não estávamos num museu, mas deu para ficar com uma ideia do que é contar em frente a uma obra da Paula Rego.
O Manuel contou uma bela história de um Kora sem coração e, logo a seguir, entrou o Galissa em palco para nos encantar com os sons da Guiné. E tudo pareceu encadeado, mágico, das sessões na biblioteca, à passeata pelas ruas da cidade, incluindo um momento muito engraçado no jardim da sociedade Carlista, com um sino que insistia em interromper a Cristina Taquelim. Cá para mim foi a vingança de um sacristão, farto de histórias sobre padres… Umbigo D’ aço, António Fontinha, Cristina Taquelim, Os Músicos de Bremen, Cláudia Fonseca, Rini Luyks, fotograma 24, Braima Galissá, Manuel Garrido…um programão bem conduzido pela batuta do contador Carlos Marques. Pelo meio o António Pedro ainda deu uma mãozinha de precursão acompanhando um grande concerto do Galissa com seu Kora contador de histórias.
Fazem muita falta estes momentos de convívio e partilha entre contadores…
Uma contadora com falta de vista? :)
Os Umbigo D'Aço!
O narrador mexicano dos Músicos de Bremen!
 Grande professor António (só podia ser bibliotecário...)
 
Cláudia Fonseca e as suas histórias de "faca e alguidar" acompanhadas ao acordeão por Rini Luyks
Carlos Marques: um anfitrião feliz...
Braima Galissa
A magia de António Fontinha...

Águeda: Caça Texturas (02:13)

http://www.agueda.tv/archive.ud121?theme=Local&oid=1744348
Uma reportagem de Sílvia Tavares!

domingo, 16 de junho de 2013

Corpo Comum: Formação no Centro Cultural Vila Flor


Uma formação no campo das necessidades educativas especiais, no Centro Cultural Vila Flor… Bom ambiente e formandos já com muito conhecimento acumulado ao longo da prática. Como é evidente o nível de informação elevou-se, dando lugar a momentos de troca de estratégias e experiências entre pares do mesmo ofício. As condições do Centro são excelentes e o apoio logístico notável. Um único senão… como tinha pouco tempo disponível, a informação foi transmitida em modo acelerado…desculpem.
Para além da reflexão sobre a pluralidade das situações de deficiência, a partilha da minha prática no terreno a par de alguns exercícios simples, passíveis de serem aplicados pelos formandos nos seus locais de trabalho. Se o ponto de partida tinha sido o trabalho no Centro de Arte Moderna em breve chegámos a situações concretas a necessitar de resposta. Promoção do livro e da leitura junto de jovens e crianças diferentes. O que é a inclusão, como ela se poderá tornar efetiva? E mais, e mais portas abertas no meio de interrogações. Retenho um momento de que gostei particularmente: o exemplo da mediação do livro “A surpresa de Handa”, do jeito que costuma fazer, terminando com um pequeno lanche de tangerinas de baixo da laranjeira do Vila Flor, repleta de laranjas sorridentes.
Está prevista uma nova formação, desta vez certificada, em Guimarães nesse belo Centro Cultural.


quinta-feira, 13 de junho de 2013

De corpo inteiro em Fitares!

Hoje foi dia de montagem da exposição dos alunos “especiais” no agrupamento de escolas Escultor Francisco dos Santos (Fitares/Sintra). Colocámos na parede os grandes “cartões de cidadão” de corpo inteiro que dão eco do trabalho desenvolvido com estas crianças e jovens. E está lá tudo: as emoções expressas com adjetivos, o trabalho em torno do rosto e o reconhecimento da individualidade, a consciência do esquema corporal e os desejos de futuro. Mas sobretudo é uma afirmação de integração destas crianças no contexto geral do agrupamento. Para além disto, o que mais me marcou hoje foi ver o entrosamento entre toda a equipa de docentes e “exteriores” com um mesmo objetivo e vontade de proposta para o próximo ano letivo. Aqui ficam algumas imagens do nosso trabalho hoje de manhã. Parabéns Fitares!
O professor Vitor em plena atividade. Com a preciosa ajuda do 8ºC
Boa disposição!
A presença constante de Sara Afonso (Divisão de educação da C. M. Sintra)
Quero ser veterinário!
Uma baliza bem guardada...
Bombeiro de serviço...
Agarra que é ladrão!

domingo, 9 de junho de 2013

Trabalhando com a diferença em Sintra


Ao longo deste ano letivo teve lugar um conjunto de diferentes intervenções com crianças e jovens com necessidades educativas especiais do Concelho de Sintra. Uma iniciativa da divisão de educação da C. M. Sintra junto das unidades de ensino especial do Concelho. Assim na EB 1 de Rio de Mouro realizámos algumas sessões junto de crianças do espectro do autismo e não só, partilhando experiências e tentando dar respostas às nossas perguntas através da introdução de novas ferramentas.
Caçando texturas na Biblioteca Escolar
Na EB 2 de Rio de Mouro, escola de referência para alunos invisuais e de baixa visão, desenvolvemos a oficina “caça texturas” numa perspetiva de integração com o universo de todas as turmas da escola onde estas crianças estão inseridas. Por fim, a última intervenção (aquela que começou mais tarde) teve lugar no Agrupamento de Escolas Escultor Francisco dos Santos (Fitares) envolvendo alunos de diferentes níveis de ensino, numa pluralidade de problemáticas e de níveis etários. Aqui, o trabalho tem-se desenvolvido em torno da noção do EU (individualidade) em paralelo com o conhecimento do esquema corporal, passando pelas emoções e expressões do rosto. A ideia é construir sobre papel de cenário um “Cartão de Cidadão” de corpo inteiro onde há lugar para o rosto (fotografia e desenho), O corpo (com desenho da silhueta numa posição que revela os desejos de cada participante para o seu futuro) e emoções (num trabalho em torno dos adjetivos que caracterizam cada um dos alunos, lançando mão de algumas ferramentas digitais).
Escusado será dizer que os objetivos individuais de cada criança ou jovem são estabelecidos pelo professor que todos os dias trabalha com eles; embora se tente sempre ir mais longe nas aquisições, elas são ditadas pelas características específicas da criança/jovem. O espírito de pertença/grupo tem sido uma constante, como se pode observar pelas fotografias captadas na última sessão no ginásio.
Mas somos bem ambiciosos! No próximo ano letivo, pretendemos lançar a oficina “Eu sou tu” numa perspetiva de integração, envolvendo professores e alunos das turmas que acolhem os nossos meninos/as especiais.

“É nossa intenção sensibilizar o Conselho Pedagógico do Agrupamento para o projeto de intervenção que a seguir se apresenta, onde nos propomos envolver professores e alunos das turmas com crianças com necessidades educativas especiais, numa oficina pedagógica integrada. Esta oficina, de nome “Eu sou tu”, transcende os objetivos específicos da unidade de ensino especial, sendo transversal a todas as idades e níveis de ensino, cruzando saberes e práticas artísticas. Todos os professores, alunos e assistentes operacionais que convivem diariamente com as nossas crianças especiais, são convidados a participar nesta ideia da qual se podem extrair aprendizagens mais vastas, facilmente relacionáveis com as matérias curriculares numa fruição própria da “Educação não formal”. A ideia que preside à nossa proposta é a integração lúdica, reunindo um conjunto de aprendizagens e conhecimentos simples, úteis para o curriculum normal. Vale a pena apostar na inovação e integração na Escola Pública!”
In documento apresentado à escola através do seu Conselho Pedagógico
 

sábado, 8 de junho de 2013

O "Arraial das Palavras"


Vamos invadir o jardim do Museu da Cidade com festões de bandeirinhas coloridas com palavras escritas oriundas de diversos pontos da cidade: palavras de mar, de rio, palavras cheias de água, ambiente natural da cidade de Lisboa. Uma festa de celebração da leitura, da escrita e da palavra a ter lugar no Museu da Cidade no dia 21 de Junho. E de onde vêm estas palavras? Da leitura de um conjunto de livros propostos e da escrita poética nascida a partir se uma técnica simples: “A máquina da poesia” (M. Horta). Uma maneira simples de transformar qualquer pessoa em poeta em 20 minutos…
Depois, unidas por um cordel bem comprido, as nossas bandeirinhas de palavras vão espalhar-se pelo espaço onde decorre um vasto conjunto de iniciativas. Esta ideia só ganhou corpo graças à participação das escolas básicas e bibliotecas escolares de Lisboa. Fica aqui um abraço para os tecnicos das Bibliotecas Municipais que se empenharam na divulgação e concretização desta ideia.
 Ora vejam as fotografias que fui buscar ao facebook da Rede de Bibliotecas de Lisboa (BLX) para terem uma ideia da azáfama que vai pelas escolas...

domingo, 2 de junho de 2013

Fim de um ciclo no Cata Livros

CATA LIVROS: Caros amigos, a partir de hoje cesso as funções como Coordenador da Mediação Leitora no sítio Cata Livros. Não foi uma decisão minha. Foi uma opção estratégica da organização que gere o Sítio. Quero agradecer à Paula Cusati o excelente trabalho que desenvolveu no terreno!
Assim, todos os contactos deverão ser feitos diretamente com promotores do sítio. Aproveitem bem esta ferramenta digital.