sábado, 25 de maio de 2013

"Leitura furiosa" em Beja

De volta dos livros na Biblioteca de Serpa
Sessão na Cáritas
A “Leitura Furiosa” propõe o convívio entre escritores e leitores fartos do estado habitual das coisas. Esta poderia ser uma definição, claro. Mas  a proposta não se esgota no enunciado, ela ganha corpo na relação direta com as pessoas que ela toca. Imaginemos...
Um primeiro momento em que o escritor conversa com leitores (ou não…), absorvendo ideias e colecionando histórias, algumas de vida ou às vezes apenas episódios coletivos que surgem no momento. Levando consigo este material recolhido, o escritor isola-se no labor das palavras. Estamos numa sexta feira e o encontro com o grupo foi de manhã e de tarde. No meu caso um conjunto de pessoas apoiadas pela Cáritas Diocesana de Beja, vulgo: “Sem abrigo”. Levo comigo o que consegui reter num conhecimento quase rápido. Durante a noite e madrugada o texto literário terá que estar pronto para enviar para a execução gráfica e para a coordenação do projeto instalada na Casa da Achada (Centro Mário Dionísio). (Escuso aqui de falar da Eduarda Dionísio, alma de toda esta ideia) Este mesmo frenesim acontece em diversos locais do país e fora de aqui, naquilo que chamamos Europa. O meu texto seguiu de um quarto da pensão Bejense, por volta das 3 horas da manhã, sem ter podido dormir com ele. Reconheço-lhe, pois, algumas fragilidades na escrita. Mas não importa. Na manhã seguinte, às 10 da manhã estava na Caritas para ler o texto aqueles que gentilmente me cederam pedaços de si para que os pudesse tecer sem demora. Gostei dos sorrisos e da mudança das expressões de que se reconhece na matéria escrita. Estava completa esta fase da “Leitura Furiosa”. Começa aqui outra aventura do texto ao ser entregue à ilustradora de serviço que interpretará e acrescentará com o traço as palavras imperfeitas do escritor. Tem pouco tempo, apenas um par de horas que se revelam suficientes para a tarefa plástica que desempenha com mestria. Texto e ilustração seguem para execução gráfica e impressão.
Hoje de tarde fomos a Serpa visitar a Biblioteca Municipal com anfitrião afetuoso. Miguel mostrou os cantos à casa, simulou pesquisas de modo acessível e brindou-nos com uma cantiga e histórias. Há gente muito bonita no nosso país…
Amanhã, pelas 15h30, será o momento de partilha com a comunidade: leitura de textos, apreciação sorridente do objeto cheirando a impressão fresca.
No meio de tudo isto, conversei com gente desabrigada, almocei e gracejei. Se lerem as linhas que escrevi (num próximo post), vão entender. Ana, a técnica da Cáritas esteve sempre presente, ombreando com a Cristina Taquelim que se revelou ser a mulher que não dorme. Tenho a certeza de que a festa vai ser bonita. Quero muito ver o livro pronto!


3 comentários:

  1. Miguel, a Biblioteca Municipal é que agradece a vossa presença e as tuas gentis palavras. Foi muito bom ter-vos cá.

    Miguel Bentes

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E em breve, na tua caixa de correio um "Pinok" para deleite dos leitores mais novos de Serpa! :)

      Eliminar
  2. Já não passava por aqui há uns tempos. Vim hoje! Em boa hora!
    Por um lado, senti um certo gosto amargo, ao ler a 1ª notícia (saída do Cata Livros); por outro, fiquei encantada com todos os projetos e textos...
    Estou curiosa e desejosa de "leitura furiosa"!
    Mais!
    Também quero um Pinok! Já me fez muita falta! (Estará em algum pavilhão da Feira do Livro? ... Outra sugestão?...)
    Um abraço, Miguel Horta!

    ResponderEliminar