terça-feira, 2 de outubro de 2012

Contos à deriva

Quando a Cristina Taquelim me disse que tinha um lago inteiro para contar  histórias do mar e dos pescadores, fiquei feliz. Foram logo buscar o barco do Hermes Picamilho para servir de palco aos meus “Contos à deriva”. A primeira vez que contei alguns ditos e partes do barlavento algarvio em público, foi numa sessão de contos que antecedeu o festival Terra Incógnita …. Eu bem queria um petromax para ter na embarcação, uma luz para os contos, mas só encontrámos um “camping gas”; serviu muito bem para iluminar a magia das histórias no jardim público de Beja, durante as Palavras Andarilhas. A primeira noite de contos à deriva, até que foi muito atrapalhada; manter o equilíbrio no barco enquanto se contam histórias para a margem, não foi tarefa fácil. Mas o pessoal gostou, apesar de eu ter esforçado a voz. Valham-nos os contadores de histórias experientes: o António Fontinha tratou de dar a sua opinião e a “coisa” foi corrigida: uma pequena tripulação passaria a embarcar para escutar histórias no meio da água…e funcionou mesmo bem… Naquela segunda noite, os andarilhos fizeram fila junto á margem para escutar histórias, embarcados, enquanto eu remava sobre as águas. A certa altura, o António começou a lançar pequenas provocações, como se fosse um pescador que estranha ver tanta gente numa embarcação de trabalho: lá se deu um diálogo em algarvio do mar com o irónico provocador que da margem observava a cena toda. Naquelas duas noites disse pragas, ditos e partes do barlavento algarvio. Não faltou a memória do “Lugre fantasma” nem “as raposas e o pescador”, a par de umas quantas rimas salgadas na noite alentejana…tão longe do laredo. O que eu me ri com a Fernanda Frazão cheia de medo de ir à água… E os pais andarilhos que começaram a fingir que choravam, copiosamente, quando eu disse que iria levar as suas crianças para o mar das histórias, dos livros, que não mais voltariam iguais e que por certo, alguns se perderiam no meio do vendaval de letras…
Foi assim: remando, pescando e contando como se estivéssemos a bordo do “Urso branco” nos arrifes do sul.  

2 comentários:

  1. O barco chamou-me a atenção, logo no 1º dia de manhã, muito antes de perceber por que estava ele lá! Depois, assisti à partida de diversos grupos de tripulantes, despedidas com esperanças e receios, e regressos felizes... Chegavam diferentes, claro! Uma ideia interessantíssima!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado Manuela. Fiquei com vontade de repetir esta experiência. Como passageiro/pescador, voltei a escutar histórias ao senhor António ("Urso branco")na segunda feira passada: fui à pesca no mar da Arrifana...

      Eliminar