terça-feira, 13 de março de 2012

Concurso Literário nos Estabelecimentos Prisionais Portugueses

Miguel Horta - Desenho - 2011
Ao longo deste tempo, em que tenho promovido a escrita e a leitura em prisões, encontro textos onde as palavras saem simples, por vezes pobres mas genuínas: é uma pequena conquista de privacidade em celas onde por vezes a televisão não se cala das imagens e o que em volta resta é desassossego desconforme. Os níveis de literacia são baixos, no geral; quando eles e elas respondem ao desafio da escrita com a força infantil de uma afirmação, inclino a minha cabeça com respeito e soletro as linhas descodificando caligrafias confusas. Gosto deste trabalho junto à fronteira mais remota da existência social, um mundo fechado de regras próprias povoado por guardas, educadores e reclusos possuidores coração e humanidade falível. Comprometi-me com os meus colegas de júri do concurso inter-prisões sob o tema da árvore, a publicar alguns poemas apresentados pelos reclusos. Começo hoje por publicar um poema do Jorge Angélico do Estabelecimento Prisional Regional de Setúbal, vencedor do 1º Prémio.
A árvore do meu Jardim
Mãe do fruto e da promessa
Cresce num quintal e também na floresta
Rodeada de flores
Ela liberta o ar que apura a atmosfera
De raiz firme pelo frio e pela chuva
Até chegar a Primavera
Sou inquilino de uma selva urbana
Bonita, mas pouco perfumada
Eu, um lago e uma cabana
A vida é doce e também salgada
O ramo dança
O tronco aguenta a dor
A brisa que passa
Pela paz e o amor
Amante perfeita
Leal comprometida
Cresce no meu Jardim
Meu sinal de vida 

Jorge Angélico
Outubro de 2011
EPR Setúbal

24 comentários:

  1. Linda poesia,reclusos também são humanos e tem sensibilidade e coração...

    ResponderEliminar
  2. obrigado Itauana. Ao longo dos últimos anos , muitos foram os textos de qualidade produzidos (com esforço) por esta gente reclusa.

    ResponderEliminar
  3. Linda!!!Parabens ao autor , uma poesia singela e cheia de sentimentos. Que o autor seja cada dia contemplado com as bênção de Deus.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. reencontrei o autor na Prisão de Pinheiro da Cruz...continua a escrever muito bem

      Eliminar
  4. lindo poema e amor pela vida meus parabens para quem fez e para quem escolheu a liberdade

    ResponderEliminar
  5. Obrigado Cleria Rodrigues. Na próxima semana vou publicar as menções honrosas do concurso. Um dos textos é da autoria de um recluso Brasileiro...texto belo e forte.

    ResponderEliminar
  6. Ah vou esperar sr miguel horta , como uma boa brasileira que sou, adoraria prestigiar meu conterraneo ... Parabens pelo seu trabalho, divulgando talentos escondidos. E quem ganha somos nós leitores.

    ResponderEliminar
  7. AO responsavel por este belo trabalho Miguel Horta esta de parabens,o incentivo a leitura e escrita esta cada dia sendo esquecida,e o projeto tambem é otimo,pois os reclusos,tambem sao penssoas com sentimentos e riquezas a serem demostrados,assim com esse poema do Jorge Miguel ele é uma caixinha de surpresa só quem o conhece tem essa possibilidade de nos surpreender a cada dia,parabens JM espero que esse poema seja o primeiro de muitos,,SR Miguel Horta tambem quero ver as mençoes escrita pelo brasileiro meu conterraneo ..parabens pelo seu trabalho.

    ResponderEliminar
  8. obrigado Silvania. Um dos textos que não foram premiados era delicioso: o seu autor um recluso mineiro que recorda um pé de Ipê da sua infância. Um texto muito bonito, escorreito no Português típico do interior do Brasil

    ResponderEliminar
  9. lindo o poema que acabei de ler,parabens ao jorge miguel pelo o seu lindo trabalho,espero ke seja o primeiro de muitos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O Jorge continua a escrever...agora na prisão de Pinheiro da Cruz

      Eliminar
  10. sentimento nobre de poeta lusitano

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bom dia Filipe. É impossível não nos surpreendermos com os textos que surgem no cárcere... Este jovem em particular manteve-se secreto sem revelar as suas capacidades até ao dia do lançamento do concurso: estendeu-me a folha de papel onde o poema estava rabiscado. Onde que você tem andado escondido? perguntei depois de ler a letra apressada.

      Eliminar
  11. É bom vermos como apesar de certas circunstâncias da vida, existem pessoas que não cruzam os braços, e que com o seu jeito e talento, ou até "dom" como muitos lhe chamam, nos surpreendem! Este senhor, que mereceu o seu lugar premiado, continua com óptimos trabalhos! Quando menos esperamos, surgem coisas espantosas!

    Parabéns pelo trabalho que realizou e por dar a estas pessoas, estas oportunidades que os libertam, mesmo que seja no papel.

    ResponderEliminar
  12. quem escreveu tem sim merecimento e deveria editar mais poemas seus pois com certeza que seram lidos e pensados deveria ter uma porta aberta para se poder lancar uma mao amiga que sabe o valor de ser obrigado pela escolha e muitos patrabens para o poeta certamente e um inicio de muitos valores obrigado Almeida

    ResponderEliminar
  13. Parabéns Miguel por esta iniciativa e sobretudo muitos parabéns ao meu amigo Jorge pelo bonito poema 'a arvore do meu jardim' promessa de fruto e sobretudo sinal de vida', fico cheio de orgulho por este grito em silencio, Zé Lobo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O Jorge continua a escrever muito bem. reencontrei-o em Pinheiro da Cruz. Tenho aqui um pequeno conjunto de poemas para ler...

      Eliminar
  14. o bom e depois de um premio honrosamente dado se dar alguma oportynidade de este poeta poder editar mais poemas pois seram certamente bem vindo obrigado miguel horta pelo trabalho que tem feito e parabens ao jorge angelico e que uma porta lhe seja aberta

    ResponderEliminar
  15. Jorge Angélico,A poesia é uma forma de evasão do espírito e da mente. O pensamento e liberdade esta na nossa mente. Os meus parabéns

    ResponderEliminar